Siguenos
iBookstore
Android app on Google Play
Like Us
Un programa de
Sob permanente vigilância
14 de July de 2020

Alguma vez ouviu falar de fulgores solares (ou flares, em inglês)? São enormes e repentinas explosões na superfície de uma estrela, que lançam milhares de milhões de partículas para o espaço. Usando um novo telescópio situado em Okayama, no Japão, foram observadas explosões deste género numa estrela da constelação de Leo (o Leão); o seu estudo contribui para melhor compreeender a forma como estes eventos podem, quando ocorrem no Sol, afetar a vida e a tecnologia aqui na Terra.

 Uma ameaça à Terra

 Quando ocorre uma explosão deste género no Sol, algumas das partículas carregadas que são emitidas vêm atingir a Terra. Elas podem dar origem a belissimas auroras (as luzes do norte, ou do sul). Mas as partículas também podem perturbar as comunicações, e provocar danos em centrais elétricas e satélites. Em raras ocasiões, podem acontecer verdadeiras superexplosões no Sol, e essas podem provocar danos ainda mais extensos na Terra. 

É por isso que @s astrónom@s se mantêm vigilantes, enquanto observam superexplosões noutras estrelas. Querem compreender melhor estas partículas carregadas e de que forma podem ameaçar-nos, se acontecer um evento dessa magnitude no nosso Sol.

Uma dúzia de explosões 

Uma vez que estas superexplosões são raras, é difícil reunir dados e chegar a conclusões enquanto se espera que ocorra uma delas no Sol. Em vez disso, @s cientistas procuram exoplanetas que sejam parecidos com a Terra, tanto em tamanho como em distância à sua estrela. Depois, observam com toda a atenção as estrelas que esses planetas orbitam, à procura de superexplosões.

O Telescópio Seimei no Japão observou e estudou não uma mas 12 superexplosões numa anã vermelha que fica a 16 anos-luz do Sistema Solar. Estrelas deste tipo têm maior tendência para ter explosões deste género nas suas superfícies – portanto, este era um alvo perfeito para a investigação.

Mais vigilância 

Ao estudar estes 12 eventos superexplosivos, @s astrónom@s ficaram a saber mais sobre a atividade dos átomos destas partículas estelares e sobre os seus picos energéticos. Ao continuarem a observar e estudar estes eventos, esperam um dia serem capazes de fazer melhores previsões sobre a possibilidade de ocorrência de superexplosões no Sol, e assim evitarem danos demasiado extensos aqui na Terra. Por agora, @s astrónom@s vão continuar a observar estas distantes explosões súbitas, na esperança de aprender ainda mais sobre elas.

Facto curioso

Uma explosão típica no Sol tem umas dezenas de vezes o tamanho da Terra. Uma das superexplosões estudadas pel@s astrónom@s nesta anã vermeha era 20 vezes maior do que as explosões que ocorrem normalmente no nosso Sol!

Share:

Fotografías

Una superfulguración en una enana roja
Una superfulguración en una enana roja

Printer-friendly

PDF File
1012,5 KB